Resgate da fantasia no horário nobre, ‘O Sétimo Guardião’ é refém de suas próprias referências

Depois de sua antecessora Segundo Sol, ter começado muito bem e ter se perdido do meio para o fim, terminando numa trama repetitiva e sem fôlego, Sétimo Guardião, do pernambucano carpinense Aguinaldo Silva (autor de enormes sucessos como TietaPorto dos MilagresSenhora do Destino Império — esta última vencedora do Emmy) estava cercada de expectativa por trazer o autor de volta a seu universo compartilhado de fantasia iniciado em 1992, com a grandiosa Pedra Sobre Pedra.

Marcada por dois adiamentos e um processo judicial sobre a autoria que antecederam sua estreia, a trama sobre uma fonte milagrosa protegida por uma irmandade de guardiães perto do capítulo 50 ainda não emplacou em audiência e chega a sinalizar um problema para a emissora. Mas será mesmo que a trama é ruim?

Dan Stulbach, Milhem Cortaz, Ana Beatriz Nogueira, Antonio Calloni, Zezé Polessa, Leopoldo Pacheco e Paulo Rocha dão vida à irmandade que protege a fonte mágica

Formado pela Resplendor de Pedra Sobre Pedra, a Tubiacanga de Fera Ferida e a Greenville, de A Indomada, o universo de cidades fantásticas ficcionais de Aguinaldo Silva ganha uma extensão agora ao apresentar Serro Azul, lugar de grandes histórias e que guarda grandes segredos mencionada em todas as novelas de fantasia do autor, mas nunca antes mostrada. O fato de sempre citar suas outras cidades e referenciar tramas e personagens de suas outras novelas acaba fazendo parecer que a novela depende de referências para conquistar.

Dirigida pelo ótimo Rogério Gomes (de Império, Além do Tempo e A Força do Querer) a trama da novela se iniciou quando, com a iminente morte do guardião-mor Egídio (Antonio Calloni), o gato León (que quando humano toma a forma de Eduardo Moscovis) vai atrás do filho de Egídio que o próprio desconhece existir, Gabriel (Bruno Gagliasso). Atraído pelo gato, o rapaz abandona a noiva Laura (Yanna Lavigne) no altar e sofre um acidente no caminho. Enterrado vivo, o rapaz aparece nas visões da misteriosa e sensitiva Luz da Lua (Marina Ruy Barbosa), que acompanhada do felino desenterra o mocinho da cova rasa e o traz de volta à vida. Apaixonados e descobrindo pouco a pouco o mistério que levou o rapaz a Serro Azul, ambos serão vítimas de um golpe do destino. Prestes a assumir seu lugar como guardião da fonte poderosa, o rapaz deve escolher entre seu posto e o amor de sua vida. Para proteger a fonte ele terá de entrar numa briga contra sua própria mãe, a empresária do ramo cosmético Valentina (Lília Cabral), que deseja lucrar explorando as águas da fonte.

Bruno Gagliasso Marina Ruy Barbosa vivem os heróis Gabriel Luz

Há quase três meses no ar, a trama acumula uma sofrida média geral de 27 pontos, abaixo dos 30 necessários para o horário. Aparentemente a direção soturna e a fantasia não estão agradando muito o público geral, mas a novela tem bons momentos e o grandioso elenco envolvido trabalha bem em segurar a trama.

O casal de mocinhos não emplacou, e Luz e Gabriel acabam funcionando melhor individualmente do que como par. Marina Ruy Barbosa entrega uma mocinha curiosa, incomodada, que cativa com sua petulância. Já Gagliasso entrega tiques que mais remetem ao seu esquizofrênico Tarso, de Caminho das ÍndiasO gato León, que tem os melhores momentos da novela, aparece pouco, infelizmente.

Responsável pela engrenagem da trama, o gato León aparece menos do que deveria

A novela guarda ainda subtramas extremamente divertidas e interessantes, como o núcleo da malvada beata Mirtes, vivida por Elizabeth Savalla, que com seu séquito inferniza a vida dos moradores de Serro Azul. Destaque também para o relacionamento abusivo entre o chapeiro machista Nicolau (Marcelo Serrado) e a doce e maternal Afrodite (Carolina Dieckmann).

Um dos maiores problemas da trama acaba por residir em sua grande vilã, a Valentina de Lília Cabral. Metralhadora de absurdos e sinceridades, ainda não mostrou realmente a que veio, assim como seu parceiro nas vilanias, o empresário ganancioso Olavo (Tony Ramos). A dupla ganhou um ânimo positivo com a entrada da química transexual Marcos Paulo, maravilhosamente bem na pele de Nany People, estreando na televisão numa das melhores personagens da novela. A trama ainda peca por ter uma direção sombria demais, quando a novela pede algo mais leve e solar. O excesso de ótimos atores em papéis de pouquíssimo destaque, como Paulo Miklos, na pele do católico fervoroso Jurandir, e Aílton Graça na pele do Padre Ramiro soam como desperdício e incomodam um pouco, ainda que a trama tenha tempo pela frente para desenvolvê-los.

Nany People Lília Cabral dão vida às vilãs Marcos Paulo Valentina

A trama conta com os reforços dos sempre incríveis Dan Stulbach, Zezé Polessa, Letícia Spiller, Ana Beatriz Nogueira, Fernanda de Freitas, Marcos Caruso, Flávia Alessandra, Vanessa Giácomo, Theodoro Cochrane e Viviane Araújo. É necessário também fazer jus à Judith de Isabela Garcia. A atriz brinda o público com uma performance contida de uma mulher simples capaz de cativar e emocionar apenas com um olhar, ou com as poucas palavras proferidas pela governanta. Impecável!

A mescla de drama e comédia é bem sucedida e cria genuínos momentos de humor que conquistam facilmente o sorriso do telespectador. As cenas mais exigentes, como o esfaqueamento de Olavo à beira da fonte e a primeira transformação de León em humano surpreenderam positivamente pela qualidade e pelo cuidado de pós-produção.

Eduardo Moscovis dá vida à forma humana do gato León

Os problemas de O Sétimo Guardião assolam várias novelas, mas com a experiência e qualidade do texto do autor Aguinaldo Silva, a esperança é de que a trama se recupere passado o sofrido período de fim de ano (onde todas as novelas são prejudicadas com a baixa audiência) e apresente melhor os coadjuvantes que pouco a pouco tornam-se indispensáveis para o andamento da história. O Sétimo Guardião é uma boa novela, vítima das circunstâncias e do ingrato período de estreia, mas é uma grata surpresa, que vale a pena ser assistida. A nostalgia, ao menos, está garantida. A trama fica no ar até maio.

Anúncios

Autor: Lucas Felipe

Noveleiro e seriemaníaco, colaborador do “Olar Para Todos”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s