[Crítica] Death Note (Netflix)

Sinopse: Light Turner é um jovem estudante colegial não muito popular e que vive com o peso da morte da mãe. Um dia, ele encontra o Death Note (caderno da morte) que o shinigami Ryuk deixou cair no mundo dos humanos. Quando escreve o nome de uma pessoa, visualizando-a ou pensando no seu rosto no Death Note, essa morrerá. Light vai matando bandidos, corruptos, etc (ficando até conhecido como Kira – leitura em katakana de “killer”), até que as autoridades acham estranho as muitas mortes ocorridas e começam a investigar, liderada pelo detetive L, cuja identidade é desconhecida. Aos poucos Light vai descobrir muitos detalhes desconhecidos sobre o Death Note enquanto também terá que escapar da investigação da polícia americana, chefiada por seu próprio pai.

Olar para todos! É com grande felicidade(ou não) que trago a vocês: Death Note! Sim! Esperamos muito para seu lançamento e finalmente chegou, apesar de que ele não chegou da forma espetacular como esperávamos. Dito isto, vamos lá.

Eu juro que como fã da obra, fui assistir a este filme ignorando o anime, mas nem assim foi possível não ter raiva disso.

Se você tenta ignorar o material original, você vai achar um filme mediano, mas se você vai assistir esperando algo próximo ao anime, vai se estressar.

O diretor pegou apenas os conceitos do mangá e colocou no filme. Já vou adiantando: o maior erro desse filme, foram os personagens. Para que colocar os personagens principais com os mesmos nomes da obra original se eles são nada a ver em relação aos do anime? Quando você faz algo e põe os mesmos nomes do original, o público inconscientemente vai compará-los.

É tanta mudança que seria mais fácil apontar semelhanças do que as diferenças. O filme basicamente mudou tudo! Pra a personalidade de todos os personagens.

Vou parar de comparar a fatídica adaptação com o anime e tentar analisar somente o filme. Tem algo bom nele? Olha, sim. A fotografia do filme tá muito boa, as mortes sem censura nenhuma e cheias de sangue estão belíssimas, e principalmente o Ryuk que ficou espetacular. Claro que o William Dafoe foi um dos principais responsáveis por deixar o Ryuk magnífico.

Acabou as coisas positivas? Sim. Vamos aos contras. O Light no filme é mostrado como um cara super inteligente, porém ele faz cagada atrás de cagada e só no final do filme que ele volta a ser inteligente. Muitos disseram que ele ficou burro por causa da Mia.

A Mia se envolve em toda a trama sem nenhuma motivação. Não faz sentido. Ela só entra para ficar com o Light e depois ela quer assumir o seu papel como Kira e comandar tudo.

O L é dito como um prodígio, sendo o melhor detetive do mundo e que já resolveu vários crimes. Contudo, com o andar do filme, principalmente depois de um certo acontecimento, ele se descontrola totalmente, deixando de pensar e se tornando um desesperado.

O pai do Light diz que ama o filho, e certo momento põe tudo pro lado e toca o dane-se pro filho, tudo para provocar o Kira.

Os atores principais do filme não deram um belo exemplo de atuação. Principalmente o Light em que alguns momentos passou o clima errado da cena do que realmente deveria ser. O L é o melhor entre os três principais. E o Ryuk nem se fala, novamente o William Dafoe foi fantástico.

A trilha sonora foi bizarra. Tem uma cena no final, do qual foi uma cena de tragédia, ou seja, um clima de suspense/tristeza, porém a música que toca durante essa cena é uma coisa para fazer graça, principalmente para quem entende inglês e escutou a letra. E isso tirou totalmente o clima de toda a cena.

Gostaria muito de falar sobre as falhas do roteiros aqui, porém seria spoiler. Mas posso dizer aqui que houveram vários erros de roteiros, erros que se você parar para pensar poderia ter encerrado o filme ali mesmo, mas que o diretor e o roteirista resolveram ignorar.

Algumas cenas também foram bizarras. Tem uma cena estilo perseguição policial que foi legal, mas como a perseguição continuou por tanto tempo é que foi extremamente estranho.

Agora eu não entendi aquele final. Por que o diretor resolveu fazer aquilo? Não sei. Talvez pensou que o público ficaria louco para ver a continuação, mas… acho que não vai dar certo.

Talvez o principal contra tenha sido o tempo do filme, pois reproduzir 37 episódios em uma hora e meia é complicado. Alguns dos principais personagens não apareceram por causa do tempo, talvez. Como Near e Mello.

Finalizando, o filme é mediano. Tem seus momentos bons, tem muitas discussões legais, principalmente, de modos de perspectivas de como se ver a justiça, porém, você consegue encontrar vários erros facilmente, especialmente se você já viu o anime.

Aconselho muito a todos assistirem ao anime, que é literalmente uma obra de arte. Um dos melhores animes que já assisti e que tenho certeza que quem não viu está perdendo tempo.

Nota: 6/10

Nota como fã do anime: 4/10

 

 

 

 

Anúncios

Autor: arturdidier

Anime, séries, filmes, jogos, sushi, açaí, chocolate, música boa, master chef, Canadá e cultura japonesa. Não precisa ser nessa ordem, depende do dia. Meio humana, meio exatas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s